Lava-me

A lava

Como um vulcão desperto

De um sono profundo

Tremendo as montanhas

Dando seu  grito ao nascer

Como um vulcão despertando.

Gritando…

Sete gerações de povos antigos

Lava-me, Lava-me

Traga seu sangue quente

Algo que poucos percebem

Apenas meus primos distantes

Diga-me. De que calderão vim?

Algo que poucos notam

Que guardo nas profundezas de minha mente

Lava-me, lava-me

Meu corpo nú

Exposto ao céu

Emane sua luz

Que derrete corações

Sou seu filho

Sou raça perante a este mundo palido

Sou a verdade

Emane sua luz

Que queima meu peito

Sou raça antiga

E este pálido mundo irá

me compreender

Como um vulcão desperto

De um sono profundo

Tremendo as montanhas

Dando seu grito ao nascer

Como um vulcão nascendo

Sete gerações de povos antigos que viram

As lagrimas dos deuses

Rolando e gritando o número oculto

A lua, o sol, o cosmos vendo este espetáculo

Tentando compreender o velho mundo pálido.

Letra e música: Alkistis Protopsatis – Tadução: Livres adaptações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s